dezembro 02, 2016

Dubladora do Darth Vader


Na metade do ano passado, eu tive uma gripe muito forte. A partir da gripe, minha garganta ficou tão inflamada que isso me deixou sem falar por quase duas semanas. 

Eu não sou uma pessoa que fala muito, e mesmo quando estou num grupo de amigos rodeada de pessoas queridas eu prefiro estar no meu cantinho a dar alguma opinião sobre qualquer coisa, portanto, acreditei que seria fácil passar por essa etapa da gripe. No entanto, a partir do segundo ou terceiro dia eu me descobri mais conversadora que o habitual. 
Mesmo com a rouquidão e a dificuldade em tentar me comunicar por meio de uma espécie de sussurro alto, eu tentava a todo custo falar sobre qualquer bobagem que me ocorresse, fosse chamar o meu melhor amigo para debatermos um acontecimento de duas semanas atrás ou conversar despreocupadamente com a minha mãe sobre a falta de criatividade das atuais propagandas. O fato de eu não poder falar e saber disso trouxe-me um desafio, uma situação a ser vencida. O proibido, naquele momento, me foi muito atrativo. 
O misto de desafio e curiosidade é o que nos impulsiona a desejar aquilo que não podemos ter no momento. No meu caso, como mencionei, foi o ato de falar em um momento que eu deveria me resguardar. Mas há quem, por exemplo, prefere nutrir sentimentos pela namorada do melhor amigo por aquilo proporcionar uma linha da qual não pode ser ultrapassada ou quem não abre mão do sorvete de flocos ou o mousse de chocolate mesmo sabendo que tem intolerância à lactose. 
Todos sabemos onde termina o limite para a maioria das situações que passamos durante a vida, esse quebra do limite é o que nos atrai, seja por instinto ou pelo simples prazer de ultrapassar aquela linha que nos foi orientada. No entanto, essas linhas quando excedidas trazem consequências: No caso da pessoa que se apaixona pela namorada do melhor amigo, a consequência é o sofrimento; no caso da pessoa intolerante à lactose, uma alta propensão a dores de barriga. 
A mim, me custou o dobro de tempo para me recuperar de uma inflamação de garganta normal, mas eu também aproveitei para me impor mais. Adquiri, por um breve momento, o poder de opinar sobre o que quer que me perguntassem pelo anseio de não poder falar. Naquele período, eu acredito que atingi a cota de conversação por um ano inteiro.


Texto sobre aprendizado, 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é sempre bem vinda.